English version
Uma entidade do
 Buscar
Página Inicial Links Rede CNI Newsletter RSS Fale Conosco
Página inicial  > CNI em Ação > Internacional > Organização Mundial do Comércio (OMC)
Internacional
 < voltar
Organização Mundial do Comércio (OMC)
Tamanho do texto: A-   A   A+
Representando a indústria brasileira

Acordos de comércio multilaterais são vistos pela CNI como elementos importantes para o aumento da participação do Brasil no comércio internacional. A Organização Mundial do Comércio (OMC) se consolidou como a mais importante instituição para discussão e estabelecimento das regras que regem o comércio multilateral, sempre visando à liberalização comercial como forma de aumentar os fluxos de comércio e impulsionar o desenvolvimento econômico dos países.

Fundada em 1994 e sediada em Genebra, Suíça, a OMC incorporou as regras do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio de 1947 (o GATT 1947) e reúne uma série de outros acordos e compromissos sobre temas variados relacionados ao comércio internacional.

Os acordos firmados no âmbito da OMC têm origem em diversas “Rodadas” de negociação e visam a liberalização comercial e o estabelecimento de regras para combater práticas injustas de comércio. Dentre as últimas Rodadas de negociação destacam-se a Rodada Uruguai (1986-1994), que criou a OMC, e a atual Rodada de Doha que teve início em 2001 e ainda não foi concluída.

A Rodada de Doha - nessa Rodada, a CNI monitora o processo negociador nos principais temas de interesse da indústria, como acesso a mercados para produtos agrícolas e não-agrícolas, serviços, regras de defesa comercial, facilitação de comércio, dentre outros.

A CNI já realizou dezenas de consultas técnicas ao setor privado sobre as negociações de Doha. No sentido de auxiliar o posicionamento do setor privado e do governo brasileiro nas negociações, a CNI também realiza estudos e fornece informações de referência sobre diferentes temas. Além disso, promove e participa de reuniões técnicas com o empresariado e o governo, para que haja o máximo de participação possível do setor privado no processo negociador como um todo.

Documentos para download
OMC: o fracasso da Rodada de Doha prejudica o Brasil
União pela retomada das negociações da Rodada de Doha (em inglês)
Indústria defende negociação equilibrada na OMC
A Rodada de Doha da OMC (em espanhol)
Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC
Erosão de preferências nas negociações de NAMA
22/07/2009 | CNI quer abertura de painel na OMC contra a Argentina

A CNI recomenda ao governo brasileiro a abertura de um painel na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a Argentina questionando a adoção, pelo país vizinho, de licenças não-automáticas nas suas importações por tempo mais longo que o permitido por aquele organismo. Segundo nota técnica elaborada pela CNI, o percentual de exportações brasileiras para a Argentina atingidas por esse tipo de medida mais do que triplicou entre 2004 e este ano, passando de 3,7% do total para 13,5%.

Os reflexos negativos para os exportadores brasileiros são muito claros: perda de market share nos produtos afetados e rápido aumento da concorrência chinesa. De janeiro a abril de 2009, comparativamente ao mesmo período do ano passado, o market share dos produtos brasileiros atingidos pelas licenças não-automáticas argentinas teve uma queda de 11,5 pontos percentuais, de 42% para 31,5%. No mesmo período, a participação chinesa nessa lista de produtos aumentou de 21,5% para 30,5%. Um crescimento de 41,86%.

A recomendação da CNI foi decidida pelo Conselho de Integração Internacional (Cointer) da instituição, em encontro que reuniu representantes da própria CNI, da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) e da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), entre outros.

A CNI enviou as recomendações ao governo por meio de cartas endereçadas aos ministros das Relações Exteriores, Celso Amorim, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge.

Leia, a seguir, a síntese da nota técnica elaborada pela CNI. No arquivo PDF em anexo, a íntegra da nota, com o histórico do contencioso e as tabelas com os valores dos produtos exportados que foram atingidos pelas medidas argentinas.


Medidas argentinas já atingem 13,5% das exportações brasileiras

Exercício da CNI, de junho de 2005, mostrava que o contencioso comercial atingiu 4,3% (2003) e 3,7% (2004) das exportações brasileiras para a Argentina. Em 2008, esse levantamento acrescido dos produtos atingidos pelas medidas atuais, mostra que 13,5% das exportações para aquele país são afetadas.

As últimas medidas adotadas pela Argentina ampliam o leque de produtos sujeitos aos seguintes mecanismos: i) “valor critério” (4,8% das exportações brasileiras, em 2008), afetando principalmente tubos de ferro e aço, calçados, linha branca, pastilhas de freio e têxteis; ii) medidas de defesa comercial (1,4%), atingindo produtos como laminados de ferro e aço, fios de fibra acrílica e transformadores; e iii) licenças não-automáticas de importação (7,3%), impactando sobre lista de produtos variados que inclui cutelaria, móveis, máquinas debulhadoras e tratores, além de calçados, linha branca e têxteis. Essas medidas têm efeito direto na indústria brasileira.

O Brasil perde market share nos produtos sujeitos a medidas protecionistas, enquanto a China amplia sua participação no mercado argentino nos mesmo produtos

As importações dos produtos sujeitos a restrições, especialmente no caso de licenças não-automáticas, vêm registrando perda do market share brasileiro compensado pelo aumento de participação do produto chinês no mercado argentino. No período de janeiro a abril de 2009, comparativamente ao mesmo período de 2008, o market share do Brasil no grupo de produtos atingidos por licenças não-automáticas caiu de 42% para 31,5%, enquanto a China expandiu sua participação de 21,5% para 30,5%.

O contencioso tem sido tratado caso a caso, na esfera da Reunião Bilateral Brasil-Argentina. Esses entendimentos resultam em sua maioria em “acordos de restrições voluntárias de exportações brasileiras” administrados pelas organizações setoriais, mas este formato está esgotado.

Faz-se necessário uma mudança de atitude. Duas alternativas vêm sendo sugeridas ao governo: i) adoção de medidas de retaliação que podem ser licenças não-automáticas nas importações brasileiras; ii) recurso aos sistemas de solução de controvérsias.

A CNI recomenda ao governo a abertura de painel na OMC

O recurso ao mecanismo de solução de controvérsias da OMC é o mais apropriado. A adoção de licenças não-automáticas nas importações é um procedimento burocrático discricionário, que aumenta custos e incertezas para empresas brasileiras integradas a cadeias de valor internacionais.

Documentos Relacionados
 Nota Argentina Paneil OMC
Ações Anteriores
22/07/09 - CNI quer abertura de painel na OMC contra a Argentina
30/07/08 - CNI lamenta fracasso da reunião ministerial de Doha
09/06/08 - Rodada Doha em pauta: CNI defende conclusão das negociações na OMC
Serviços do Sistema Indústria > · Banco de Talentos · Editais e Licitações
 
Escritório São Paulo
CNI - Confederação Nacional da Indústria
Rua Olimpíadas, 242, 10º andar, na Vila Olímpia
São Paulo - SP - Tel. (11) 3040-3860
Sede
CNI - Confederação Nacional da Indústria
SBN - Quadra 01 - Bloco C - Ed. Roberto Simonsen
Brasília - DF - CEP:70040-903
Tel. (61) 3317-9000
Fax. (61) 3317-9994
Contador de páginas