English version
Uma entidade do
 Buscar
Página Inicial Links Rede CNI Newsletter RSS Fale Conosco
Página inicial  > CNI em Ação > Meio ambiente > Gerenciamento de Resíduos
Meio ambiente
 < voltar
Gerenciamento de Resíduos
Tamanho do texto: A-   A   A+

Conforme definição aprovada pela CNI em 2003 e ratificada em 2006, resíduo sólido é qualquer material, substância ou objeto descartado, resultante de atividades humanas e que se apresenta no estado sólido.

Os resíduos sólidos são classificados de acordo com a sua origem (lixo industrial, doméstico, agrícola, comercial, serviço de saúde etc) e com os riscos de contaminação do meio ambiente (Classe I - perigosos; Classe IIA - não inertes; e Classe IIB - inertes).

A produção e acúmulo de resíduos sólidos nas décadas de 70 e 80 levaram os países desenvolvidos a criar uma série de leis e regulamentos para a redução e controle dos mesmos. O fortalecimento da gestão ambiental favoreceu, por sua vez, a implementação de dispositivos legais baseados no princípio do Poluidor-Pagador.

São citados, na seqüência, alguns fatores que podem ser considerados como gargalos para o gerenciamento dos resíduos sólidos:

•    ausência da diferenciação dos resíduos sólidos dos co-produtos, que são aqueles materiais requalificados por processos ou operações de valorização para os quais há utilização técnica, ambiental e economicamente viável, não sendo dispostos no meio ambiente;
•    falta de base de dados disponíveis, em nível nacional, em relação a geração, tratamento e disposição final dos resíduos industriais. A base de dados é uma ferramenta fundamental para planejamento de ações de gerenciamento dos resíduos sólidos;
•    falta de locais licenciados para tratamento e disposição final de resíduos sólidos industriais;
•    dificuldades de financiamento para aquisição de equipamentos, instalação de sistemas de tratamento de resíduos (aterros, incineradores, usinas de reciclagem etc);
•    altos custos atrelados à logística do processo.

Resíduos pós-consumo

Ciente de sua responsabilidade socioambiental, a indústria brasileira considera a gestão de resíduos sólidos um dos principais instrumentos para evitar os riscos de contaminação do meio ambiente. Como se sabe, os resíduos sólidos são classificados de acordo com a sua origem e com os riscos associados ao seu manejo e disposição final.

Quando se trata de resíduos domiciliares, originados pelo descarte de materiais pelo usuário (denominados de resíduos pós-consumo), a responsabilidade pelo destino final varia de acordo com o país ou região. Nos EUA, por exemplo, os usuários de um produto ou serviço são responsáveis pelo seu destino final, arcando inclusive com as despesas para tal.

Em alguns países da União Européia, a responsabilidade pelo destino final de resíduos pós-consumo é compartilhada entre produtor, consumidor e poder público. Mas, em casos específicos, há obrigatoriedade do produtor em gerenciar os resíduos, mesmo após o seu descarte. Neste sistema, conhecido como take back ou logística reversa, o consumidor é peça-chave na segregação dos materiais descartados e encaminhados para a coleta seletiva.

No Brasil, o gerenciamento de resíduos sólidos pós-consumo ganhou destaque a partir de resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama, no final da década de 90. Setores industriais, tais como eletroeletrônico (pilhas e baterias), de pneumáticos (pneus) e petroquímico (óleos lubrificantes usados), atribuíram ao produtor a responsabilidade pelo recolhimento e disposição final.

A CNI acredita que é preciso rever as resoluções do Conama que regulamentam o descarte de pilhas e baterias, pneus e artefatos de cimento-amianto. Saiba mais sobre a posição da entidade.

A indústria brasileira, no entanto, considera que a adoção de acordos voluntários é o instrumento mais eficiente para gerenciar os resíduos pós-consumo de maneira compartilhada. Estes acordos seriam estabelecidos, de forma voluntária, entre a indústria, o poder público e o consumidor final. A indústria se organizaria, por exemplo, para promover o retorno de resíduos para reutilização e reciclagem.

23/03/2011 | CNI organiza discussão sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos

No dia 21 de março, a Confederação Nacional da Indústria organizou o evento “Diálogo Sobre a PNRS – Esclarecimentos e Encaminhamentos” em sua sede, em Brasília.

Durante o evento foram apresentados os principais pontos de interesse da indústria na Lei 12.305/2010, que dispõe sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos e no Decreto nº 7.404/2010, que a regulamenta.

A PNRS estabelece diretrizes, objetivos, instrumentos, competências, atribuições, limitações e responsabilidades na gestão e no gerenciamento de resíduos sólidos para todo o País. Entre as principais inovações da Lei está a logística reversa, definida como um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada. Foram apresentados alguns modelos para implantação da logística reversa elaborados pela ABRALATAS – Associação Brasileira de Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade, pela ABIVIDRO – Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas de Vidro e pela ABIPLA – Associação Brasileira das Empresas de Produtos de Limpeza e Afins. Após as exposições e debates foram discutidos alguns pontos que merecerão ações imediatas da indústria no que se refere a:

Regulamentação dos planos de gerenciamento de resíduos do setor privado;

  • Discussões sobre Logística Reversa;
  • Participação nos grupos temáticos do Comitê Orientador da Logística Reversa;
  • Participação nos grupos técnicos do Comitê Interministerial;
  • Ação de defesa na esfera judicial contra iniciativas do Poder Público local e regional de Logística Reversa;
  • Participação no Pró-Catador;
  • Harmonização de Cadastros, inventários e sistemas de informação sobre resíduos sólidos.

 Foi proposta pela CNI e aprovada pelos participantes do evento, a criação de uma Rede de Resíduos que será gerida pela CNI e terá a participação de Federações de Indústrias e Associações Setoriais de âmbito nacional.O objetivo da rede é coordenar e organizar aparticipação da indústria nos diversos fóruns de implementação da PNRS, além de centralizar edifundir informações para todos os setores representativos da indústria.

Ações Anteriores
23/03/11 - CNI organiza discussão sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos
08/06/10 - Acordo entre CNI e Caixa Econômica Federal facilita a compra de equipamentos para produção limpa
12/03/10 - Câmara aprova Política Nacional de Resíduos Sólidos
10/07/09 - Sistema integrado de bolsas de resíduos atenderá 10 mil empresas
18/06/09 - CNI negocia aperfeiçoamentos na Política Nacional de Resíduos Sólidos
Serviços do Sistema Indústria > · Banco de Talentos · Editais e Licitações
 
Escritório São Paulo
CNI - Confederação Nacional da Indústria
Rua Olimpíadas, 242, 10º andar, na Vila Olímpia
São Paulo - SP - Tel. (11) 3040-3860
Sede
CNI - Confederação Nacional da Indústria
SBN - Quadra 01 - Bloco C - Ed. Roberto Simonsen
Brasília - DF - CEP:70040-903
Tel. (61) 3317-9000
Fax. (61) 3317-9994
Contador de páginas